depende

Uma casa de dia não permite tristeza,
diz a Poesia.
Tristeza não tem hora,
vem de noite, abona o dia,
é trepadeira, folha de urtiga.
Longa como dias de romaria
ao deserto,
pés descalços
em grés,
entoando toda sorte de cantigas.
Minha casa depende,
lá pode ter tristeza de noite, de dia,
Depende.
Depende de você, de mim, do tempo lá fora, do mundo, do dólar, da politica, dos irmãos que já morreram, da mamãe, do papai, do chefe me enchendo, do meu medo, da irmã que me domina, do marido ausente, do filho que vai casar, da genética, do ambiente, daquele povo todo que me safanou…


Suzana Mcauchar (Petrópolis, Rio de Janeiro, 1956). Psicóloga aposentada, meu passatempo predileto consiste em ler e escrever. Tenho um livro publicado, de contos e poemas selecionados, e participação em algumas antologias.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos, escritor e curador de festas literárias.