ganimedes

Como me envolves
na tua luz matinal,
Primavera amada!
Com todos os prazeres do amor,
entra no meu peito
o teu sagrado ardor
de eterna chama,
infinita Beleza!

Se eu pudesse estreitar-te
nos meus braços!

Oh, deitado sobre o teu peito
definha o meu coração,
de flores e musgos
delicadamente pressionado.
Tu apaziguas a minha sede ardente,
adorada brisa matinal!
O rouxinol enamorado
chama-me na névoa do vale.
Já vou, já vou!
Aonde? Ah, aonde?

Para cima! Aspiração ao cimo!
Flutuam as nuvens
ou descem para o
amor ansiado.
Para mim! Para mim!
Ao teu encontro,
para cima!
Num só abraço!
Para cima, ao encontro do teu coração,
Pai amado!

notas do tradutor

Ganimedes, segundo Pierre Grimal (Cf. Dicionário da Mitologia Grega e Romana), seria um membro da realeza troiana. Adolescente, quando guardava os rebanhos do pai nas montanhas perto de Tebas, foi raptado por Zeus, metamorfoseado em águia, que se apaixonou pela sua beleza. No Olimpo, Ganimedes assumiu o papel de escanção dos deuses.
Goethe é um dos mais importantes autores da literatura alemã e do Romantismo europeu. Com Friedrich Schiller (1759-1805), foi um dos líderes do movimento literário Sturm und Drang, que reagiria, esteticamente, contra o classicismo francês e defendia uma poesia em que a emoção se sobrepunha à razão, e em que o sujeito poético se expõe, confessa e assume a revelação da sua interioridade.


Emanuel Guerreiro (Faro, Algarve, Portugal, 1971). Professor de Português do Ensino Básico e Secundário. Doutorando em Literatura (Universidade do Algarve). Ensaios publicados em revistas literárias e universitárias em Portugal e no Brasil.

Posted by:Jorge Pereira

Jorge Pereira (Recife, 1994). Produtor cultural e agente literário baseado no Rio de Janeiro. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e membro do Oi Kabum! LAB do Oi Futuro.