chiquinho

Hoje o dia ficou turvo …
Se algum dia, em retrospetiva
Encobrires o mundo de lágrimas …
Que sejam das benevolentes
Gémeas da tua alma …

Existem maneiras de exprimir vivacidade
Mas as únicas esclarecedoras
São já saudade que nos deixas

De respiração são feitos estes momentos
Recuperaram-me a esperança …
São os únicos a pelejar na crença
De um dia ainda conseguir ser
Tão satisfeito como até hoje foste …


António da Murta (Lisboa, Portugal, 1992). Poeta Português.

Posted by:Jorge Pereira

Jorge Pereira (Recife, 1994). Produtor cultural e agente literário baseado no Rio de Janeiro. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e membro do Oi Kabum! LAB do Oi Futuro.