estátua de buda

Sê grato
Pela fruta madura no galho,
Pela nuvem branca em procissão.

Pela tempestade
Que enrijece o carvalho
Pela raio, chuva e trovão
Sê grato.

Pelas aves em revoada
Colorindo o céu de verão,
Pela semente de lótus em
Meio a lama florescendo em oração…

Sê grato!
Como a estátua de Buda,
Serena à contemplar a existência de todas as coisas.


Jessyca Santiago (Recife, Pernambuco, 1988). Graduada em Letras pela Uerj, trabalha como professora no RJ.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos, escritor e curador de festas literárias.