O isqueiro boca de baleia de Berlim

o isqueiro boca de baleia com nome berlim
deixou uma bolha de água no meu dedo
o barulho indecifrável do teu gás
o barulho inflamável do dispositivo aberto
o barulho entre três suspeitas zebras chorando
você já tem uma casa para ficar em colônia
o meu amigo já te ama disse fran
naquele sonho as geleiras se partiram
uma torre de uma basílica se rompeu
alguém deixou a sua neblina comigo
a criança sente angústia vendo
a mãe indo trabalhar todos os santos dias
porque dizer para aliviar um furo na pele
isqueiro boca de baleia jubarte


Rafaela Nogueira Barbosa (Cabo Frio, Rio de Janeiro, 1985). Sou graduada em Letras pela UFRJ. Escrevo e fotografo na oficina digital do blog Paralelo 14 Sul. Atualmente, vivo em Niterói, ao lado do cinema.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos, escritor e curador de festas literárias.