las piedras

Tanto vivir entre piedras
Yo creí que conversaban
Voces no he sentido nunca
Pero el alma no me engaña

Algún “algo” han de tener
Aunque parezcan calladas
No de balde ha llenau dios
De secretos la montaña

Algo se dicen las piedras
A mi no me engaña el alma
Temblor, sombra o que se que yo
Igual que si conversaran

Malaya pudiera un día
Vivir así: sin palabras

as pedras

De tanto viver entre pedras
eu cri que conversavam.
Vozes não ouvi nunca,
mas a alma não me engana.

Algum “algo” hão de ter,
ainda que pareçam caladas.
Deus não encheu de baldes
de segredos as montanhas.

Algo se dizem as pedras,
a mim não me engana a alma.
Tremor, sombra ou que sei eu!
Igual que se conversavam.

Oxalá pudera um dia
viver assim: sem palavras

Traduções de Luiz Otávio Ribas e Jandir Santin


Atahualpa Yupanqui (Pergamino, 1908), escritor e cantor argentino, divulgador da música folclórica, premiado em 1980 no Festival de San Remo, Itália.
Luiz Otávio Ribas (Porto Alegre, 1983), poeta, autor do zine “Levantando do chão num só impulso”.
Jandir Santin (Manágua, 1981), cineasta, autor e diretor do curta-metragem “Paixão nacional”.
Posted by:Jorge Pereira

Produtor cultural e agente literário pernambucano baseado no Rio de Janeiro e São Paulo. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e de arte contemporânea.