Marias e Marias

De dentro para fora me fiz madeira,
Foi o que pude depois de tanta pauleira.
A voz reprimida de uma mulher brasileira,
A face torcida diante de tanta baixeza.

Me fiz pedreira porque diante de mim
O amor é reprimenda,
O respeito é carteira vazia de faxineira. 

Não me importam os balões coloridos,
Aqueles criados para a mentira florir,
Me importa a madeira 
Que dentro de mim se fez pedreira. 

Não me arranquem os ferrões,
São eles em mim os archotes de luz,
Não me rompam os grilhões,
Elos que me unem às irmãs.

Que me salvam,
Que nos salvam,
Que nos salvarão.

Por traz da pele macia,
Em baixo das curvas vadias,
Estamos nós, todas nós,
Marias e Marias.

A humanidade vertida
Em dor e desdita,
Que pela flor do seu ventre
Segue em luta,

Porque sonha e acredita,
No amor um dia vencido,
Nos corações do mal,
Que é hoje predito.


Lara Braga (Rio de Janeiro, Brasil). Escritora ensaista, poeta e compositora, autora dos livros Em Poesia (Ed. Bambual, 2017) e Em Poder (Ed. Bambual, 2018), e integrante do projeto Mulheres em Cena, com o qual participou da Casa Philos no Flipoços 2018 e Flip 2018.

Posted by:Jorge Pereira

Produtor cultural e agente literário pernambucano baseado no Rio de Janeiro e São Paulo. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e de arte contemporânea.