Somos o país que mais teve escravos entre as Américas e o que mais demorou para encerrar formalmente esse processo cruel e desumano. O encerramento formal da escravidão em 1888 não impediu que as suas consequências se estendessem para marcar a pele dos que são negros até os dias atuais de formas muito violentas e agressivas.
Os negros são a maioria da população brasileira. Esse não é apenas um dado demográfico, seu significado político é agudo: enfrentar o racismo estrutural, reparar os mais de 500 anos de discriminação e garantir a plena participação dos negros na vida social do país significa a consolidação de nossa democracia.

Para isso a garantia dos direitos da população negra, a manutenção das ações afirmativas e de promoção da equidade que visem ampliar o acesso à educação superior e à terra, bem como o fortalecimento de iniciativas empreendedoras e o enfrentamento do racismo precisam continuar e ser aperfeiçoadas para que possamos realmente promover a igualdade e a justiça em plenitude para todos os brasileiros, independentemente de sua cor, conforme preconiza a nossa Constituição Federal.

Marina Silva

Desejamos uma ótima leitura!

Philos #33
Neolatina #33

Para realizar o download dos cadernos da Philos #33 e da Philos Neolatina #33, clicar sobre as imagens das capas ao lado. Para realizar la descarga de los cuadernos de la Philos #33 y de la Philos Neolatina #33, haz click sobre las imágenes de portadas al lado. Per scaricare i quaderni della Philos #33 e della Philos Neolatina #33, clicca sulle immagini delle copertine della porta accanto.

Posted by:Jorge Pereira

Produtor cultural e agente literário pernambucano baseado no Rio de Janeiro e São Paulo. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e de arte contemporânea.