É incrível como Chico Mendes, na sua simplicidade, teve a sabedoria e a visão pioneira para configurar grandes discussões da humanidade. Chico significou o conceito de socioambientalismo, ao integrar na prática proteção do meio ambiente com justiça social, e economia com ecologia. Chico era um defensor do diálogo, ouvia a todos, valorizava a informação e unia a ciência aos conhecimentos tradicionais das comunidades. Não se afastava dos companheiros da floresta, com quem mantinha uma relação não apenas de fraternidade mas também de respeito à democracia no debate e nas decisões. Mesmo sabendo das inúmeras ameaças de morte que sofria, negava os pedidos insistentes de pessoas próximas para se refugiar fora de Xapuri, nem que fosse apenas por um tempo. Sempre alegava que não poderia abandonar seus companheiros, seu compromisso era inarredável, sabia que sua causa se encontrava ali.

Lembro do empate – uma forma de resistência organizada e pacífica de homens, mulheres, idosos e crianças dos seringais contra os desmatamentos no Acre – que fizemos na Fazenda Bordon. Quando nos aproximamos do local, havia uma proteção da Polícia Militar para que os peões pudessem derrubar as árvores impunemente. Logo que chegamos, os policiais vieram em nossa direção para impedir nossa entrada. Chico teve a ideia de cantarmos o Hino Nacional. Nos demos as mãos e começamos a cantar. Os soldados no mesmo instante pararam e ficaram esperando. Quando terminou o Hino, os policiais começaram a caminhar de novo, então Chico falou para darmos as mãos de novo e rezarmos um Pai Nosso. Pegamos na mão dos PMs, que tiveram que parar novamente, e aí pronto, não tiveram mais o que fazer, nós já tínhamos entrado na área que estava sendo desmatada. Mesmo em situações acirradas de conflito, Chico não abria mão dos caminhos da luta política não-violenta.

Um dia, incentivada por um cartaz afixado na igreja, decidiu fazer um curso de liderança sindical rural, ministrado pelo teólogo Clodovis Boff e pelo líder seringueiro Chico Mendes. Sua dedicação ao curso a aproximou de Chico Mendes, que passou a lhe enviar publicações de sindicatos de trabalhadores rurais. Chico chamava Marina carinhosamente de “Nega véia”.

Permanece viva em minha memória a imagem desse grande amigo, irmão, mentor e companheiro de luta, com projetos de desenvolvimento comunitário empunhados nas mãos, andando nos corredores das instituições, pedindo apoio de cientistas, ambientalistas, sindicatos, partidos políticos, órgãos de governo. Sua vida foi uma tradução viva do que o filósofo francês Jean-Paul Sartre disse: não somos o resultado daquilo que o passado fez conosco, mas do que fazemos com o nosso passado.

Os avanços que obtivemos na agenda ambiental no combate ao desmatamento, no aprimoramento da legislação e das estruturas de governança, na criação de unidades de conservação, no papel de destaque que o Brasil alcançou nas negociações multilaterais, na valorização dos povos indígenas, comunidades quilombolas e tradicionais, assim como vários outros, são desdobramentos da luta que Chico Mendes iniciou.

Conheci o Chico quando tinha 17 anos, e esse encontro mudou a minha vida. Nessa época, eu sonhava em ser freira e vivia num convento em Rio Branco, no Acre. Um dia, incentivada por um cartaz afixado na igreja, decidi fazer um curso de liderança sindical rural, ministrado pelo Chico e pelo teólogo Clodovis Boff. Depois disso, comecei a compreender que a minha fé não era para ficar encerrada em quatro paredes. Os ensinamentos de Chico Mendes tem sido, desde aquele momento, lições de vida, que valem ainda mais agora, quando há uma negação sistemática do que está dizendo a ciência, um tratamento inadequado às populações tradicionais e uma perda da capacidade de diálogo entre diferentes.

A amizade com Chico Mendes

Muitas das coisas que eu faço e como me comporto, acho que aprendi com ele, sem nem saber que estava aprendendo e ele talvez nem sabendo que estava ensinando. Essa é a melhor forma de aprender e ensinar, aquela que fica inconscientemente marcada na gente. Em que nós não sabemos se estamos agindo ou sendo agidos por essa influência.

É difícil lembrar de Chico sem a marca da saudade. A última vez que nos encontramos, ele disse repetidamente: “pois é, nega véia, dessa vez, eu acho que não tem mais jeito. Os cabras vão me pegar”. Eu só lembro de ter dito: “não tem jeito o quê, Chico?”. E ele reafirmava: “eu acho que eles vão me pegar”. Tentei insistir pra que ele fosse pra cidade pra denunciar. E ele respondeu: “não adianta, toda vez que eu faço isso, eles dizem que eu faço isso pra me promover, então quando eu morrer eles vão ver que não era pra me promover”. Caminhamos até o ônibus, nos abraçamos e nos despedimos. Passaram cinco dias, daquele último encontro, até pegarem Chico. Andei e trabalhei com ele até seu assassinato, de forma brutal e covarde, há 30 anos atrás. Mas é impossível rememorá-lo sem prosseguir na luta.


Marina Silva (Rio Branco, Acre, Brasil). Professora de História, Senadora pelo Acre (1995-2011), ex-ministra do Meio Ambiente.

Posted by:Jorge Pereira

Produtor cultural pernambucano baseado no Rio de Janeiro. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e de arte contemporânea.