Uma folha
uma pequena folha
cai

Já setembro se passeia
de braços abertos
pelo jardim
exalando oiro

Sem aviso
uma outra sobre a erva
se precipita

Em dança derradeira
mais breve que malmequer
canta como nunca
antes ao seu corpo
o vento cantou

(Depois da última nota
só o silêncio aflora)

Assim ensinam
estas aves sem asa
como a queda
pode ser digna


Pedro Belo Clara (Lisboa, Portugal, 1986). Ocasional prelector de sessões literárias, colaborador e colunista de diversas publicações portuguesas e brasileiras, autor de três blogues e de seis livros, entre poesia e prosa.

Posted by:Jorge Pereira

Produtor cultural pernambucano baseado no Rio de Janeiro. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e de arte contemporânea.