Olha o mundo
dançando ao som
da própria música

És apenas mais uma
haste de erva
baloiçando ao vento
e ainda assim não existe
haste que baloice
o teu baloiçar

Não julgues
o assombro que te toma
não fermentes ideias
sobre a beleza
que te fulmina em êxtase

Estás aqui
e o mundo contigo é

Tudo obedece
ao mistério do seu silêncio
e a verdade é coisa certa
e simples:

o oceano cabe inteiro
numa gota de chuva
toda a imensidão
de estrelas e galáxias
palpita cintilante
na borboleta que se passeia
pelas flores da tarde


Pedro Belo Clara (Lisboa, Portugal, 1986). Ocasional prelector de sessões literárias, colaborador e colunista de diversas publicações portuguesas e brasileiras, autor de três blogues e de seis livros, entre poesia e prosa.

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.