Esse primeiro de maio, gostaríamos de saldar a luta de todes que trabalham ou trabalharam e que estão e estiveram lutando, na esfera individual enquanto resistência nas nossas trajetórias e estratégias de sobrevivência.

Contudo, a que queremos saldar e aclamar hoje é a coletiva. Das associações, coletivos, sindicatos, quilombos, grupos artísticos, religiosos e diversas outras organizações por esse mundo afora. São nelas que vemos e depositamos nossas esperanças na construção de um mundo novo.

Esse questionário se propõe a repertoriar onde estamos, como andam nossas práticas e quais são nossas necessidades e possibilidades.

Antes de qualquer pergunta, sim, é um repertório APENAS para arte educadores NEGRES em PERNAMBUCO. Temos que trabalhar com as possibilidades reais de desenvolvimento para a mão de obra que temos – ou seja, atualmente nós só podemos pesquisar, organizar, propor e desenvolver algo com dados do nosso estado e com o público escolhido, não temos mão de obra e possibilidades de abarcar o brasilsão. Se alguém deseja fazer o mesmo para o seu estado, dá um toque, assim, criamos uma rede!

Obrigada! E até breve.

Ana Laura Nascimento & Ariana Nuala
décalé théâtre & CARNE- coletivo de arte negra.

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.