Emily Dickinson e Alejandra Pizarnik desenvolveram obras muito particulares em momentos históricos distintos, mesmo que entre elas exista uma proximidade criativa capaz de diminuir essa distância temporal e geográfica. Diferenças intransponíveis são encontradas em seus textos, como a religiosidade apaixonada de Emily e a liberdade existencial de Alejandra. No estudo de suas produções literárias se revelam imagens de uma problemática comum: a infância, o ser migrante, a morte e o jardim, assim como a mesma intensidade e experiência da palavra em seus exílios criacionais. Aqui apresentamos a versão original em espanhol e tradução ao português do Poema para Emily Dickinson, de Alejandra Pizarnik:

Del otro lado de la noche
la espera su nombre,
su subrepticio anhelo de vivir,
¡del otro lado de la noche!

Algo llora en el aire,
los sonidos diseñan el alba.

Ella piensa en la eternidad.

***

Do outro lado da noite
a espera seu nome,
seu desejo furtivo de viver,
do outro lado da noite!

Algo chora no ar,
os sons desenham o amanhecer.

Ela pensa na eternidade.


Extraído de Obras Completas, de Alejandra Pizarnik, editado pelas Ediciones Corregidor, Buenos Aires (1993).

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.