Din ɛ lam yɛ ɛ Kwadum

Bɛnyɛɛg bam
Bɛsɛɛg bam
Náa djɛ mɛ din
Din ɛ lam yɛ ɛ Kwadum
Mam tok Toby

Bɛnyɛɛg bam
Bɛsɛɛg bam
Náa djɛ mɛ din
Din ɛ lam yɛ ɛ Kwadum
Mam tok Boy

Bot bam
Bɛdha bam
Aa djisa ka lɛŋ
Din ɛ lam náa soola
Bhis bɛ ná zyɛ zɛ nɔɔ mɛ ɛ
Gu ka din ɛ lam

Pyɛr tok din ɛ bɛtat bam
Alis tok din ɛ bɛtat bam
Zaŋ tok din ɛ bɛtat bam
Zozefin tok din ɛ bɛtat bam
Mam tok boy yɔɔ
Dha wam
Baala din ɛ lam

Meu nome é Kwadum

Minhas mães
Meus pais
Deram-me um nome
Meu nome é Kwadum
Eu não sou Toby

Minhas mães
Meus pais
Deram-me um nome
Meu nome é Kwadum
Eu não sou Boy

Minha gente
Meus descendentes
Não apaguem a história
Trocaram meu nome
Depois que vieram me buscar
Saibam meu nome

Pedro não é o nome dos meus antepassados
Alice não é o nome dos meus antepassados
João não é o nome dos meus antepassados
Josefine não é o nome dos meus antepassados
Eu não o boy deles
Filho
Salve meu nome

Abɛdin

Abɛdin, Abɛdin, kɛlis
Na ga dje
Bis ɛ nɛ nɔ
Din ɛ lɔ
Tok din ɛ muu
Din ɛ mut ɛ nɛk
Abɛ
Na ga dje
Nyuug bi zyɛ
Wɔ tok wɔ met
Bis bɛ ɛ wak
Abɛdin, Abɛdin, kɛlis
Bis waa baa zyɛ

Sem Nome

Abɛdin, Abɛdin, irmã
Não chore
Estamos aqui
Seu nome
Não é de morto
É de pessoa que vive
Não
Não chore
Mamãe está vindo
Não estás sozinha
Estamos contigo
Abɛdin, Abɛdin, irmã
Estaremos aí de novo

Djaaboa

I ná bɛ ɛ nɛ mbua minuuv
Mbua mikwoor
Mbeka bi kan ɛ tɛ di bot bi duwal mɛbɛ
Mɛbɔl bi kan ɛ tɛ di mindjaa bi dia si  

Ay, belau,
mɛtel
Yɛ aa tela
Bhyeer, mɛdyeev, igɔ
Wɔ gwa mɛ zo ka kuɛl ɛmya ghom
Vɛ mam aa bee ghom  

Bɛ guia mɛ
Wɔ gwa bɛ zo ka gɔ mɛ
Bɛ kuɛl náá, mɛ suŋal mul tɔ mɛnyil mɔɔ
Mam, djoŋ, mi bee yas
Vɛ bɔɔ bɛ aa gwa sen  

Ɛgoŋ bwaya ɛ tu pum
Ve náá, nyɛ aa tela
Ay, belau,
Ndjaaboa nyɛ aa tia
Nyɛ zo min ɛ ɛmin nɛ ɛmin
Inɛk ghuil
tok i muma ngot
Mus, mina zo sik wak
muma
Djɛmɛn, mam waa baa zo ni i ndjaŋɔ

Casa de moças

Tinha vários cheiros
Tinha várias cores
A festa começa quando as portas fecham
As danças começam quando as casas dormem

Ay, que calor
A saliva
Não resfria
Vozes, canções, risos
De repente tive a vontade de bater
Mas não tinha um tambor
Olharam para mim
E riram de mim
Convidaram para botar óleo nos corpos
Vi tudo
E continuam rindo

O jogo durou a noite toda
E ela não resfria
Ay, que calor
Ndjaaboa não para
Não para de tomar
Essa força
Não parece de uma
Vamos parar por aqui hoje
moça
Amanhã, estarei de volta

Mut Mɛkɛn

I ná di ɛ ɛtɔ nɛ na bhibhil
Dis
Zɛ pyal, nyɛ nii bee
Bwoo, nyɛ nii di si
Tin, mut
Nyi zɛ bela cik

Premier Homme

Il y avait le nævus mélanocytaire
L’œil
Apparut, pour qu’il vît
Le siège, pour qu’il  s’ assît
Ainsi, l’homme
Eut la vie


Peresch Aubham Edouhou, nascido em Makokou (Gabão), é um kueléfono (falante da língua bekuele do Gabão) licenciado em Letras Português-Inglês pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), e mestrando em Letras (Estudos da Linguagem)  pela Universidade Federal de Rio Grande (FURG). A obra que acompanha os poemas se chama “Two girls in Libreville Gabon“, de Sophia-Yemisi Adeyemo-Ross.