Na mostra de poesia neolatina contemporânea, apresentamos um poema inédito da escritora e multiartista Dora de Assis. Em seu primeiro livro, Poesia Rouca, publicado pela Casa Philos, Dora nos apresenta uma poesia “descarnada de qualquer enfeite, sem lantejoulas ou firulas literárias, sem banlangandãs de qualquer espécie, direta ao sangue e ao coração; sem busca de favores e completamente inflamada pelo sentimento do mundo, de que nos fala Carlos Drummond; com o rigor de uma rebeldia serena. Sim, a rebeldia de Dora é serena”. Para Raimundo Carrero, escritor multipremiado e colunista do Diário de Pernambuco: “Dora de Assis, com o equilíbrio íntimo dos poemas, já não suporta o silêncio das palavras”. Leia com exclusividade o poema Outro março já, de Dora de Assis, na Philos:

outro março já

A sua guitarra que arrasta
na borda do meu ouvido
Chega ali e encara
mas não fura
O tímpano

Eu me lembro das manhãs esticadas
Para driblar
o nosso fim
Que já espiava pela fresta ansioso
Pra dar o golpe

Foi em março amor
Meu olho deu zoom no seu
Ali ficou
depois
Veio gente a beça aqui
Eu sabia que isso ia acontecer
E eu lidei bem, sabia, lindo?
a gnt lida melhor c o q nao atinge a gnt tao fundo

Você já deve saber disso

Mas enfim
Chegou a hora desse tchau
Que eu não te dei quando bateu a porta
Também não fui atrás
Já tinha ido muito
Já tinha feito muito
Então fiquei ali
Parada
No choque do agora

Faz tempo isso uns meses eu não me esqueço de que meu olhar pousou depois voou não sei pra onde mas eu devorava alguma memória esquecida
Que hoje ainda murcha eu mastigo
Pra sentir o gosto
Do que fomos.


Poesia Rouca (2020)

Em Poesia Rouca, a multiartista Dora de Assis nos apresenta um outro lado de seu trabalho distante dos palcos e da televisão. Ao lermos sua obra, encontramos uma Dora “descarnada de qualquer enfeite, sem lantejoulas ou firulas literárias, sem banlangandãs de qualquer espécie, direta ao sangue e ao coração; sem busca de favores e completamente inflamada pelo sentimento do mundo, de que nos fala Carlos Drummond; com o rigor de uma rebeldia serena. Sim, a rebeldia de Dora é serena”. CLIQUE AQUI E COMPRE O SEU!