Repensar a tarefa de pensar o mundo

por Jerônimo Bittencourt

O Contrafaccionistas reuniu nos últimos 2 anos uma série de artistas em encontros que giravam em torno da poesia e aconteciam no espaço multi-artístico Capital 35, em São Paulo. Os encontros eram semanais e inspirados no seu início por leituras sistemáticas de Hilda Hilst, a partir do convite de “repensar a tarefa de pensar o mundo” presente em Poemas aos homens do nosso tempo. A partir dessa provocação, fomos criando uma identidade através da relação entre estudo e criação, explodindo a poesia para além dos encontros por meio de escritos que fomos deixando pela cidade.

Nesse processo criativo, a poesia irrompia como a chave de abertura para uma possível lucidez, sempre alimentados pelas manifestações viscerais de cada participante e tendo como norte os procedimentos poéticos, que foram sempre a espinha dorsal de cada encontro.

A parceria Contrafaccionistas x Philos marca uma nova etapa nos estudos e na produção poética que o grupo experimenta desde abril de 2018. Pensando esse espaço virtual como um campo de criação e investigações, vamos aprofundar a ideia de poesia como procedimento para criação, convidando outros artistas a orbitarem esse espaço. A partir de um mergulho mais profundo em temas que já estavam presentes em nosso percurso, como a psicanálise e a filosofia, vamos explorar esse novo campo investindo nosso desejo cada vez mais na direção de uma colisão direta com os poemas e procedimentos que podemos desentranhar de seus versos. Acreditamos que, para repensar a tarefa de pensar o mundo, é preciso tomar a poesia como procedimento, e esse é o convite que fazemos a todos que chegam aqui.

Para inaugurar esse novo espaço, lançaremos no verão da Casa Philos a segunda publicação do Contrafaccionistas: “Brusca”. Um zine fruto de um convite feito a 10 mulheres para responderem a uma pergunta presente em um poema de Hilda Hilst. Os poemas que compõem essa publicação são as respostas a essa pergunta. Brusca é: Camila Biondan, Cibely Zenari, Circe Ferrario, Daniela Almeida Prado, Karen Menatti, Mariana Molinos, Marianna Perna, Sandra Valenzuela, Julia Bac, Thaís dos Santos, Mariana Varela e Jerônimo Bittencourt.

E aqui na Philos você confere em vídeos e experimentos poéticos a estreia da coluna Contrafaccionistas, encabeçada pelo nosso curador Jerônimo Bittencourt. Sem mais delongas, acesse o conteúdo exclusivo que se divide em dois eixos, Poéticas do Procedimento e Pequenos estudos.


Poética do procedimento

Os procedimentos e dinâmicas de criação são parte essencial da identidade contrafaccionista. Espinha dorsal que convida os participantes a serem criadores, as dinâmicas são mais do que jogos lúdicos e poéticos: são verdadeiras provocações existenciais a respeito dos temas mais importantes que atravessam a nossa vida – o desejo, a morte, o medo, o outro, a guerra, o amor, a palavra. Sendo assim, os jogos que emergem permitem reunir os participantes em torno dos temas da investigação de cada sessão, levando-os a repensarem a tarefa de pensar o mundo por meio da poesia. Os procedimentos revisitam cada poema e cada tema, mas também penetram surdamente na intimidade de cada participante, fazendo com que estes sejam confrontados consigo próprios por meio de questionamentos certeiros. O desdobrar dessas provocações e procedimentos é o que você vai encontrar nesse espaço que se reconfigura a cada 15 dias.

Contrafaccionistas – Temporada I

Procedimento #1 com Pat Bergantin

Procedimento #2 com Luciana Freire D’Anunciação

Procedimento #3 com Vinícius Costa


Pequenos estudos

Espaço dedicado a criação de estudos poéticos ligados ao cotidiano atroz. O estudo #1 é inspirado nos escritos de Álvaro de Campos, um vídeo-poesia que procura no poeta português a lucidez necessária para sobreviver em tempos de cansaço, alucinações e espera.

Procedimentos #1 com Jerônimo Bittencourt