Temos a alegria de anunciar a abertura da pré-venda do livro Mar à Vista — Ma’é Yyramoĩ, uma dramaturgia de Luz Bárbara indígena Kariri desenvolvida para e em parceria com o Clã Tupi-Guarani da Terra Indígena Piaçaguera. Um livro que narra uma história fictícia sobre a etnogênese do povo Tupi-Guarani através de personagens que contam e recontam suas histórias. A obra também brinca com a chegada dos colonizadores europóides em Pindoretá e a premonição das violências de gênero que a partir daí surgiriam. Uma narrativa brilhante para uma história ainda mais impactante e surpreendente.

CLIQUE E COMPRE O SEU!

Ficha Técnica

Páginas: 92
Formato: 20 X 29 cm
Acabamento: Brochura
ISBN: 978-65-00-58571-1
Selo: Casa Philos

Atenção: As entregas ocorrerão após o período de pré-venda, em maio de 2023.

Este projeto tem o apoio do Programa de Ação Cultural São Paulo — PROAC.


apresentação de dramaturguy
Luz Bárbara e co-autores do livro Mar à Vista — Ma’é Yyramoĩ da Terra Indígena Piaçaguera.

esta obra foi escrita para o clã tupi-guarani da terra indígena piaçaguera.
esta obra foi convidada por tayná delfina e dhevan kawin em 2017, sonhada junto com juão nyn e carol piñeiro e acolhida e fomentada por muitys do clã.
agradeço a nhandetsy nimbopyruá pois sua história de vida inspirou a estória de tatatĩ djáry, uma das protagonistas desta dramaturgia.
agradeço também a nhandetsy djupiá dora, luan apyká e andré mirin dju que desenvolveram a versão tupi-guarani da dramaturgia presente neste livro, o tupi-guarani não é uma tradução literal do que foi escrito por mim em português, mas a visão deles de como pode ser essa estória dentro da cosmovisão tupi-guarani, dessa forma esta obra é um encontro criativo de cosmovisões.
esta obra é um retrato do caminho que veio até aqui e segue.
escrevo em um português recriado, utilizo a vogal “y” invés de “a” ou “o” nos artigos e pronomes. além disso não utilizo letras maiúsculas.
essa estória é uma primícia, oferto a todys do clã tupi-guarani da terra indígena piaçaguera com o desejo de que esta plataforma nos sirva para contarmos diversas outras estórias criadas —umy personagem guarani sai da região dos andes atravessa o peabiru em busca de sua nova família, se une a um novo clã e se tornam família tupi-guarani.
é uma estória fictícia sobre a etnogênese do clã tupi-guarani.
a estória se passa antes da chegada dos colonizadores europeus em pindoretá, apesar deste marcador histórico há brincadeira com os tempos.
y personagem protagonista tem sonhos premonitórios durante sua travessia pelo peabiru, estas mensagens recebidas nos sonhos lhes são enviadas para comunicar aos povos da costa leste depois de ter atravessado o peabiru.
a pesonagem protagonista é tatatĩ djáry e conta com uma segunda protagonista que é poty dju —a personagem para quem a estória de tatatĩ djáry é contada.
a brincadeira é que a estória de umy faça outry meditar sobre algo. poty dju move y narradory da estória, kururu, a contar a estória de tatatĩ djáry.
deixo a todys do clã tupi-guarani a possibilidade de sermos ys dramaturguys desta estrutura e contarmos outras estórias, reutilizando esta estrutura ou destruindo ela, reconstruindo. brinquemos de contar estórias fazendo tudo dançar.
além de kururu, ys diversys personagens narram a estória. kururu é umy narrador-personagem, enquanto todys outrys são ou podem ser personagens-narradorys.
a segunda proposta da brincadeira é que recriemos os pontos de vistas dys personagens que assumirmos na montagem teatral e recontemos a estória, aliás, todys personagens-narradorys podem apresentar suas próprias versões sobre os acontecimentos que são narrados.
vamos brincar?
inatekié.
ae’weté katu. —Luz Bárbara


Mar à Vista — Ma’é Yyramoĩ, uma dramaturgia de Luz Bárbara inspirada em histórias contadas pelo clã tupi-guarani da terra indígena piaçaguera das aldeias piaçaguera, awa porungawa dju, tapirema, tabaçu rekó ypy IDEALIZAÇÃO E TÍTULO dhevan kawin, juão nyn PRIMEIRA ESTÓRIA dhevan kawin ARGUMENTO luz bárbara DRAMATURGIA luz bárbara APRECIAÇÃO kunhã nimbopyruá (catarina delfina dos santos), carol piñeiro, juão nyn, mirin dju (andré lucas elisio), tayná delfina REVISÃO mirin dju (andré lucas elisio) VERSÃO TUPI GUARANI djupiá dora (antonia dina dos santos), luã apyká (luan elisio dos santos), mirin dju (andré lucas elisio) CONSULTORIA DE DRAMATURGIA maria giulia pinheiro PRODUÇÃO luz bárbara EDIÇÃO casa philos 
Publicado por:Philos

A revista das latinidades

O que você achou dessa leitura?