Manhã de primavera em Olinda. Apresento um projeto editorial na Festa Literária Internacional de Pernambuco (Fliporto). Apesar da suposta multiplicidade temática que pretendia expor, o projeto não havia sido criado a mil mãos, eram unicamente os meus anseios de ser múltiplo, máximo, mas nunca comum. Pouco depois, numa tarde de verão em Camaragibe, com a ajuda de alguns amigos e alguns telefonemas para uma grande amiga em Lisboa, a Revista Philos toma forma e lança uma primeira edição com trabalhos de autores ibero-americanos, até então, desconhecidos do grande público. Hoje, um ano depois de iniciado o projeto, o mesmo e inquietante desejo de transformar a sociedade através das artes, mas com uma diferença: a aceitação deste projeto por leitores e colaboradores de todo o mundo. Esse mesmo anseio, que se desdobra em tantos outros, levou-nos ao reconhecimento de algumas instituições culturais e nos permitiu a nomeação de Revista Literária da União Latina, como parte de uma organização de escritores, artistas, críticos e acadêmicos de diversos países que faziam parte da extinta União Latina (Unilat), mas que continuam trabalhando em prol de uma latinidade plural. Com muita alegria, leituras críticas, correspondências, críticas e trabalho em conjunto, lançamos o nosso caderno especial de aniversário. Há aqui uma empatia involuntária entre textos e ilustrações; ambos tendem a falar da solidão, dos ciclos da vida, de gêneros, sofrimentos, da idiossincrasia, da literatura como refúgio: fenômeno constante do indivíduo. Dar a esta revista um sentido que a caracterize ou defina sua identidade dependerá de quem a ler.


Mañana de primavera en Olinda. Presento un proyecto editorial en la Fiesta literaria Internacional de Pernambuco (Fliporto). A pesar de la supuesta multiplicidad temática que pretendía exponer, el proyecto no había sido creado a la mil manos, eran únicamente mis anhelos de ser múltiple, máximo, pero nunca común. Poco después, en una tarde de verano en Camaragibe, con la ayuda de algunos amigos y algunas llamadas para una gran amiga en Lisboa, la Revista Philos toma forma y lanza una primera edición con trabajos de autores ibero-americanos, hasta entonces, desconocidos del grande público. Hoy, un año tras iniziado el proyecto, el mismo e inquietante deseo de transformar la sociedad a través de los artes, pero con una dife rencia: la aceptación de este proyecto por lectores y colaboradores de todo el mundo. Eso mismo anhelo, que se desplega en tantos otros, nos llevó al reconocimiento de algunas instituciones culturales y nos permitió el nombramiento de Revista literaria de la Unión latina, como parte de una organización de escritores, artistas, críticos y académicos de diversos países que formaban parte de la extinta Unión Latina (Unilat), pero que continúan trabajando a favor de una latinidade plural. Con mucha alegría, lecturas críticas, correspondencias, críticas y trabajo en conjunto, lanzamos nuestro cuaderno especial de aniversario. Hay una empatía involuntaria entre textos e ilustraciones; ambos tienden a destacar la soledad, lo ciclos de la vida, los géneros, sufrimientos, la idiossincrasia, la literatura como refugio: fenómenos constantes en el individuo. Dependerá de quien lea esta revista dar un sentido que la caracterice o la defina identidade.


Mattina di primavera a Olinda. Presento un progetto editoriale nella Festa letteraria Internazionale di Pernambuco (Fliporto). Nonostante la supposta molteplicità tematica che voleva di esporre, il progetto non era stato creato alle mille mani, erano unicamente i miei aneliti di essere multiplo, massimo, ma mai comune. Poco dopo, in un pomeriggio di estivo a Camaragibe, con l’aiuto di alcuni amici ed alcune chiamate ad una gran amica a Lisbona, la Rivista Philos prende forma e lancia una prima edizione con lavori di autori iberico-americani, fino ad allora, sconosciuti dal grande pubblico. Oggi, un anno dopo aver iniziato il progetto, lo stesso ed inquietante desiderio di trasformare la società attraverso le arti, ma con una differenza: l’accettazione di questo progetto da parte di lettori e collaboratori di tutto il mondo. Quello stesso anelito che si moltiplica in tanti altri, ci portò al riconosci mento di alcune istituzioni culturali e ci permise la nomina di Rivista letteraria dell’Unione latina, come parte di un’organizzazione di scrittori, artisti, critichi ed accademici di diversi paesi che facevano parte dell’estinta Unione Latina (Unilat), ma che continuano a lavorare a beneficio di una latinità dalle molteplici sfacettature plurale. Con molta allegria, letture critiche, corrispondenza, critiche e lavoro di gruppo, lanciamo il nostro quaderno speciale di anniversario. C’è un’empatia involontaria tra testi ed illustrazioni; ambedue tendono a parlare di la solitudine, cicli della vita, generi, sofferenze, idiossincrasia, della letteratura come rifugio: fenomeno costante nell’individuo. Dipenderà di chi legge questa rivista dane un senso che la caratterizzi o ne definisca l’identità.

Issuu

Acesse a nossa publicação na plataforma do Issuu. Acceda nuestra publicación en la plataforma del Issuu.

Download/Descarga
Neolatina #11
Philos #11

Para realizar o download dos cadernos da Philos #11 e do Dossiê de Literatura Neolatina #11, clicar sobre as imagens das capas ao lado. Para realizar el download/descarga de los cuadernos de la Philos #11 y del Dossier de Literatura Neolatina #11, haz click sobre las imágenes de portadas al lado.